Substituição dos rolamentos dos braços traseiros

Na maior parte das vezes quando aparecem os sintomas do desgaste dos rolamentos, já o desgaste vai muito avançado, chagando por vezes a requerer a troca do braço. Os sintomas são:

Ruídos e rangidos metálicos, quando a suspensão sobe e desce.

Excessiva dureza da suspensão traseira, mesmo apesar de se terem montado esferas novas.

Inclinação excessiva das rodas em relação ao que seria normal. Esta inclinação pode ser verificada observando a uma certa distância do veiculo, tendo tido o cuidado de o deixar na altura intermédia. Outro método consiste na utilização de um nível de bolha, partindo do principio que a roda deveria estar aproximadamente a 90º em relação ao plano do solo, tornando-se assim evidente uma inclinação anormal.

Procedimento para a substituição dos rolamentos:

- Levantar o carro à altura máxima

- Depois de o levantar com um macaco, repousar o veiculo em preguiças, pelo menos na traseira do veiculo.

- Colocar a alavanca do regulador de altura na altura mínima, se o veiculo apenas tiver preguiças na traseira, a frente pode descer abruptamente.

- Abrir o parafuso de descarga do Conjuntor/Disjuntor e esperar que a pressão do sistema seja nula

- tirar as rodas e as protecções dos discos de travão traseiros

- com uma chave própria para raccords de tubo, desapertar o tubo de chegada de HP ao macaco de suspensão.

- Soltar os tubos de retorno de LHM , o tubo de respiração do fole do macaco da suspensão , a braçadeira que prende o macaco ao chassis e o freio que liga a ponta do macaco a braço. Retirar o conjunto macaco+esfera

- Desligar o tubo que liga às pinças do travão.

- Soltar as fixações do tubo flexível do travão, isto facilita o desapertar da porca do parafuso de fixação do braço.

- Desapertar a porca que prende parafuso que prende o braço ao chassis.

- Desligar a barra estabilizadora do braço.

- Retirar parafuso que prende o braço.

Se o parafuso se recusar a rodar e a sair do braço, é porque se encontra soldado com o que resta dos rolamentos, devido à ferrugem, neste caso só ha duas hipóteses:

a) - Corta-se o braço, com uma rebarbadora e brocas preparadas para aço ( o alumínio do braço é extremamente rijo ) até ficar visível parafuso de fixação, vai-se cortando o parafuso até conseguir retirar o braço do chassis

b) – Desmonta-se o Sub-chassis traseiro, para isso tem de ser desligados todos os tubos que a ele estão presos e removidos com o auxilio de rebarbadora os rebites que prendem o sub-chassis às longarinas do chassis, finalmente para soltar o sub-chassis traseiro, desapertam-se os parafusos que o prendem à carroceria.

Agora já é possível desgastar o parafuso em ambos os lados de forma a que braço se possa soltar do chassis

Recondicionamento do braço.

Na maior parte dos casos o desgaste dos rolamentos do braço foi tão severo, que as anilhas de topo do sistema da articulação do braço desfizeram os retentores e entraram em contacto directo com o alumínio do braço, provocando grande desgaste.

Esse desgaste não é grave, desde que se apliquem os retentores habitualmente usados no Citroen BX e alguma massa habitualmente usada para juntas no motor.

Retentor de Citroen BX, apenas é necessário cortar o excedente de borracha em relação ao retentor do CX.

-Remoção da pista do rolamento, é vivamente aconselhado o uso de um extractor de pistas de rolamento , visto que sem ele é praticamente impossível extrair a pista do rolamento que fica no lado mais estreito do braço. Existe a hipótese de derreter a pista do rolamento com um maçarico de Oxi-Acetileno, sem danificar o braço, visto este ser construído numa liga de alumínio com um ponto de fusão muito superior.

- Lavagem e limpeza dos restos de massa, limalhas e sujidade do braço

- Inserção das pistas dos rolamentos

- enchimento da cavidade do braço com massa consistente de boa qualidade.

- montagem das partes interiores dos rolamentos

- montagem dos retentores e das anilhas

- É conveniente dar um ligeiro aperto ao sistema, utilizando o parafuso e a porca que prendem o braço, para isso, devem-se usar anilhas ou porcas de diâmetro superior ao do parafuso, improvizando assim uma pequena prensa. Deste modo garante-se que o braço entrará mais facilmente no chassis do carro.

- Montar o braço no chassis, e prender imediatamente com o parafuso e a porca.

- Para o resto da montagem procede-se de forma inversa em relação ao que se fez na desmontagem, sendo essencial ter atenção à posição das anilhas e dos espaçadores que se encontram na ligação da barra estabilizadora aos braços. se não houver este cuidado, corre-se o risco de a barra estabilizadora vir a partir, e de a condução do veiculo se tornar extremamente perigosa.

É possível a desmontagem integral do conjunto pinças+pastilhas. Neste caso, não se soltam os parafusos de fixação das pastilhas, permitindo-lhes assim ligar as duas metades que compõem as pinças, depois de desenroscar os parafusos de fixação, estes não são retirados, ajudando a manter o conjunto ligado. Se o conjunto não tiver sido mexido recentemente, manter-se-á "colado", isto pode ser útil, quando se tem de substituir um braço, mas não se tem tempo para mexer no sistema de travagem.